Eminem faz polêmica depois que incluiu a linguagem anti-LGBT no seu último álbum.

ADVN - Eminem admite que ele foi "longe demais" chamando Tyler, o criador, um insulto homofóbico

O rapper disse que estava irritado com críticas anteriores quando gravou "Fall" para seu último álbum, "Kamikaze".

Eminem é, mais uma vez, abordando alegações de homofobia depois que ele incluiu a linguagem anti-LGBT no seu último álbum.

"Kamikaze", lançado em 31 de agosto, o levou a atacar o rapper Tyler, o criador, na faixa "Fall".

"Tyler não cria nada, eu vejo por que você se chama de [faggot], vadia", Eminem canta na música, que também conta com Justin Vernon de Bon Iver. "Não é só porque você não tem atenção, é porque você adora as bolas de D12 - você é um saco religioso".

Embora a palavra "bicha" seja parcialmente obscurecida por um efeito sonoro, o sentimento não agradou a alguns ouvintes e muitos não hesitaram em expressar seu desgosto nas mídias sociais. Em uma entrevista na quinta-feira com o rapper Sway, Eminem se mostrou franco sobre a reação adversa, dizendo que agora acredita que ele cruzou a linha, incluindo o insulto.

"Eu estava com raiva quando eu disse a merda sobre Tyler", explica Eminem na entrevista. “A palavra que eu chamei ele naquela música foi uma das coisas que eu senti, 'Isso pode ser muito longe.' Porque na minha tentativa de machucá-lo, eu percebi que estava machucando muitas outras pessoas dizendo isso. .


Eminem continuou: "Foi uma das coisas que eu continuei voltando, indo para 'eu não me sinto bem com isso'. Agora eu percebo que as pessoas podem ouvir o que eu estou dizendo de qualquer maneira. ... Eu não estava na mente certa. Eu estava com raiva.

O furto pode ter sido planejado como um tipo de recapitulação depois que Tyler, o criador, criticou a música "Walk on water" de Eminem, em 2017, nas redes sociais no ano passado.

Se a explicação de Eminem será suficiente para apaziguar aqueles que sentiram que a “Queda” estava simplesmente fora de linha é outra questão. O vocalista do Imagine Dragons, Dan Reynolds, que se tornou um firme defensor dos direitos LGBTQ nos últimos anos, estava entre os críticos mais proeminentes da nova música.

Eminem enfrentou múltiplas acusações de homofobia e misoginia ao longo de sua carreira, que agora dura mais de 20 anos. O rapper, de 45 anos, rejeitou repetidas vezes essas alegações, mais recentemente em uma entrevista de 2017 do Vulture.

"Tenho certeza de que as pessoas entenderam mal o que eu estava fazendo", disse ele a Vulture. “Novamente, eu não sou um ser humano perfeito e tenho certeza de que eu disse coisas que foram um pouco demais, mas eu acho que minha vida real mostra - quero dizer, conhecer Elton John e ser tão bom amigo dele como eu sou, não sou eu dizendo: "Ei, eu tenho um amigo gay." Sou eu dizendo que Elton John está de costas. Ele vai ficar por mim.

As informações é do site: HuffPost.

Comentários