Joênia Wapixana primeira mulher indígena eleita a deputada federal.

ADVN - Joênia Batista de Carvalho prefere se apresentar como Joênia Wapixana. Ela usa o nome de sua etnia para referenciar suas raízes e identidade indígenas.
Joênia quebrou paradigmas também ao se tornar a primeira mulher brasileira de origem indígena formada em Direito.
Joênia Wapixana é a primeira mulher indígena formada em direito
Condecorada com a Ordem do Mérito Cultural e atual presidente da Comissão Nacional de Defesa dos Direitos dos Povos Indígenas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Joênia atua, ainda, no processo de demarcação da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol. Para ela, seu protagonismo “representa a própria vida, a própria resistência”.
Joênia Wapichana, oficialmente Joênia Batista de Carvalho (Roraima, 1974), é uma advogada brasileira, a primeira indígena do país a exercer a profissão.
Aos 8 anos de idade, deixou a aldeia Wapixana onde nasceu e mudou-se com a mãe para Boa Vista. Depois de concluir o ensino médio, passou a trabalhar num escritório de contabilidade durante o dia, enquanto cursava direito à noite. Formou-se em 1997.
Atuou na demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol, além de trabalhar no departamento jurídico do Conselho Indígena de Roraima (CIR) e na defesa de direitos de índios à posse de suas terras na Região Norte do Brasil.
Foi a primeira presidente da Comissão de Direitos dos Povos indígenas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), criada em 2013.
Recebeu, em 2004, o Prêmio Reebok pela sua atuação na defesa dos direitos humanos. Em 2010, foi condecorada com a Ordem do Mérito Cultural do Ministério da Cultura.
Nas eleições de 2018, foi eleita à Câmara dos Deputados por Roraima, pela Rede Sustentabilidade.
                                      

                                                         Os livros mais vendidos no Amazon:
Os livros mais vendidos no Amazon:









Comentários