Por que Michael Moore não fará um documentário de Trump

ADVN - O documentarista vencedor do Oscar Michael Moore visitou The Late Show With Stephen Colbert na noite de quinta-feira, onde celebrou os resultados da eleição e discutiu sua carta ao presidente eleito Joe Biden.

Embora ele diga que está se sentindo "muito bem" por Joe Biden ser declarado presidente eleito em vez do presidente Donald Trump, Moore admitiu que acha que o país está "em guarda" dado que "Trump mais uma vez não está lidando com a realidade".

"Nunca considero nada garantido quando se trata dele", disse Moore, acrescentando que é evidente que todos estão "justificadamente nervosos em passar os próximos 69 dias".

Na esperança de comemorar o "positivo", Colbert mencionou a liderança de Biden em Michigan, de onde Moore é. "Fizemos algo realmente importante", disse Moore sobre o estado que ficou azul, também creditando a vitória de Biden à juventude e ao voto dos negros. "Isso é realmente o que fez a diferença este ano", disse Moore.

A aparição de Moore no The Late Show ocorreu no mesmo dia em que ele escreveu uma longa carta aberta ao presidente eleito Joe Biden. Em sua carta, Moore pediu a Biden para promover uma "Lei do Voto Popular Nacional" e eliminar o voto do colégio eleitoral. Ele também pediu a Biden que se abstivesse de mudar da esquerda progressista para o "centro covarde", em um esforço para apaziguar a maior quantidade de legisladores.

Falando mais na carta, Moore explicou que falou muito sobre a fé, visto que ele e Biden são católicos. "Ele, você e eu fomos para a escola católica e aprendemos as mesmas lições", disse Moore, com Colbert também mencionando que ficou "realmente impressionado" com as conversas que teve com Biden sobre a fé.

"Ele é um homem de fé e isso vai nos servir muito bem", disse Moore.

Ele também explicou que Biden escolheu Harris para ser seu companheiro de chapa, apesar das poucas palavras durante o primeiro debate democrata, também falou de sua "bússola moral". "Ele não guardou rancor. Ele simplesmente não perdoou. Ele a colocou na multa. Quem faria isso?"

Moore disse que o início de um termo Biden e Harris simbolizou um "sinal positivo" em geral. "Estaremos na era totalmente oposta aos quatro anos que passamos", disse ele.

Moore pode não ser estranho em abordar a política em seus documentários, mas ele disse que não espere um filme centrado em Trump dele.

"Eu não faria esse filme em parte porque quem gostaria de assistir a um filme que mostrasse a você os últimos quatro anos? A pior coisa que eu poderia fazer às pessoas é mostrá-las nos últimos quatro anos."

Seja um parceiro do nosso Blog: Fale conosco.

Segue o "Águas da vida" no Facebook


O romance do ano:
Adelaide - A Duquesa

 

Comentários