Procuradores dos EUA querem que a compra pelo Facebook do Instagram e do WhatsApp seja declarada uma violação da lei antitruste

ADVN - Aquisições do Facebook direcionadas a processos judiciais pelos Estados Unidos, FTC

A Federal Trade Commission e um grupo de procuradores-gerais estaduais querem que a compra do Instagram e do WhatsApp pelo Facebook seja declarada uma violação da lei antitruste. Eles estão buscando uma separação do gigante da mídia social.

Em uma ação que pode culminar com o Facebook sendo forçado a se desfazer de ativos valiosos, quase todos os estados dos EUA liderados por Nova York entraram com uma ação antitruste contra o gigante da mídia social. A queixa apresentada na quarta-feira no tribunal federal de D.C. alega que o Facebook mantém ilegalmente "poder de monopólio ao implantar uma estratégia de comprar ou enterrar que impede a concorrência e prejudica usuários e anunciantes".

A denúncia alega que o Facebook não se contenta mais em competir na qualidade de seu serviço. Em vez disso, com um relato detalhado da tomada de decisão por trás da compra do Instagram pelo Facebook em 2012 e sua aquisição do WhatsApp em 2014, os procuradores-gerais estaduais alegam que a empresa de Mark Zuckerberg está em "modo de destruição", com uma estratégia destinada a extinguir ameaças competitivas.

"Os usuários de serviços de redes sociais pessoais sofreram e continuam a sofrer uma variedade de danos como consequência da conduta ilegal do Facebook, incluindo qualidade degradada das experiências dos usuários, menos escolha em redes sociais pessoais, inovação suprimida e investimento reduzido em serviços potencialmente concorrentes , "continua a reclamação. "Ao eliminar, suprimir e impedir o surgimento e o crescimento de rivais pessoais nas redes sociais, o Facebook também prejudica os anunciantes de várias maneiras, incluindo menos transparência para avaliar o valor que recebem dos anúncios e danos à sua marca devido ao conteúdo ofensivo no Serviços do Facebook. "

Além de ter a aquisição do Instagram e do WhatsApp pelo Facebook declarada uma violação da Lei Clayton, os estados (todos, exceto Geórgia e Carolina do Sul) estão exigindo que o Facebook seja obrigado a avisar sempre que a empresa desejar fazer uma aquisição superior a US $ 10 milhões .

Além disso, a Federal Trade Commission apresentou sua própria queixa contra o Facebook em um tribunal federal. Alegando que o Facebook tem mantido sua posição de monopólio comprando empresas que apresentam ameaças competitivas, a reclamação é semelhante em escopo à dos estados dos EUA, embora talvez tenha um foco um pouco mais profundo em como o Facebook alavanca o acesso e o controle dos dados do usuário .

Além de buscar o rompimento do Facebook, a FTC também exige que a empresa seja permanentemente proibida de impor condições anticompetitivas no acesso a APIs e dados, além de ter um monitor para verificar o Facebook e obrigar a empresa a apresentar relatórios periódicos de conformidade.

“Esta é uma história revisionista”, disse a conselheira geral do Facebook Jennifer Newstead em um comunicado. “As leis antitruste existem para proteger os consumidores e promover a inovação, não para punir as empresas de sucesso. O Instagram e o WhatsApp tornaram-se os produtos incríveis que são hoje porque o Facebook investiu bilhões de dólares e anos de inovação e expertise para desenvolver novos recursos e melhores experiências para os milhões que gostam desses produtos. O facto mais importante neste caso, que a Comissão não menciona na sua queixa de 53 páginas, é que autorizou estas aquisições há anos. O governo agora quer uma reformulação, enviando um alerta assustador para as empresas americanas de que nenhuma venda é definitiva. Pessoas e pequenas empresas não optam por usar os serviços gratuitos e publicidade do Facebook porque precisam, eles os usam porque nossos aplicativos e serviços agregam mais valor. Vamos defender vigorosamente a capacidade das pessoas de continuar fazendo essa escolha. ”

Agencia Hollywood Reporter


Seja um parceiro do nosso Blog: Fale conosco.

Segue o "Águas da vida" no Facebook

Segue no Instagram: @aguasdavidanews




 

Comentários